Tentando controlar a ansiedade

‘Estou cansada’, é a frase que mais tenho repetido, desde antes de ter sido enfim diagnosticada com depressão, ansiedade e picos de pânico a pouco mais de dois meses atrás. Que alivio dizer isso assim, logo no inicio, porque existem coisas que apertam e quanto mais a gente guarda, mais pesam e doem e fica difícil fazer desde as coisas mais simples, como levantar da cama, por exemplo, quanto manter um blog ativo por mais que esse seja um grande sonho.

Durante esse tempo longe fiquei imaginando como seria o texto de retorno ao blog, fiquei guardando palavras para poder ‘voltar com tudo’, queria contar sobre o momento da virada, sobre o ponto onde minha vida começou a mudar e tudo passou a dar certo. A ideia era chegar abalando, com o grande case de sucesso, sabe?

Mas ainda estou na jornada, estou me descobrindo e tentando entender como colocar a vida e a mim mesma nos trilhos, ainda estou estudando para ser a engrenagem que funciona com fluidez, não tenho como compartilhar nada diferente disso, porque essa é a minha verdade atual. Não posso me resguardar e aguardar o ‘momento perfeito’ de contar tudo por aqui, pensar assim não é justo comigo, nem acolhedor; cheguei à conclusão de que é melhor um relato bom, porém, verdadeiro; do que um perfeito e cheio de experiências inventadas e desonestas.

Em meio a esse turbilhão de pensamentos e sentimentos conflituosos, estou em busca de momentos que me reconectem ao presente, para acalmar a ansiedade, o que acabou por trazer de volta o prazer de fotografar coisas simples, do cotidiano, imagens que talvez não tenham valor para mais ninguém, mas que me fazem estar ali, 100% presente na hora do click. Gosto de usar um aplicativo que confere um efeito antiguinho nas fotografias, o que lembra minha infância e sinto que de alguma forma me conecta ainda mais com minha essência.

Então, vou tentar seguir assim daqui em diante, sem a promessa de atualizações constantes, mas com a alegria de hoje ter conseguido organizar as palavras, para tirar o pó e as teias de aranha que já estavam aparecendo por aqui.

Se mesmo com esses sentimentos ainda confusos e buscando me reencontrar ainda posso dar um conselho, então lá vai, se você sofre com a ansiedade tente ir em busca de fazer coisas leves e divertidas, que te lembrem quem você é, e conectem ao momento presente. Os comentários aqui em baixo estão sempre abertos para trocarmos experiências e criarmos uma rede de apoio, só assim ficamos mais fortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.